Ecomondo Brasil aposta em um dos setores com maior expansão no mundo, responsável por promover o reúso de peças automotivas e evitar o descarte incorreto de materiais

Outro setor que está em pauta com mais profundidade é o da reciclagem automotiva. “Este ano fizemos o primeiro trabalho voltado para esse mercado, em um volume menor de soluções diante das inúmeras atratividades que existem, mas visando criar oportunidades para expandir a exposição com um volume maior de empresas em 2020”, diz Luiz Fernando.

Segundo ele, o objetivo é transformar a feira em uma referência em termos de informações técnicas sobre desmontagem, reutilização e reciclagem de veículos e seus componentes, além de mostrar produtos e serviços mais condizentes com os conceitos sustentáveis, como a certificação de reciclagem automotiva.

Ainda na área de reciclagem automotiva, Luiz Fernando informa que os organizadores estão em negociação com o Instituto Nacional de Reciclagem Automotiva (Inra), que é o principal parceiro neste tema, para que possam explorar a questão de conteúdos e disseminar as novidades e principais inovações que o setor vem desenvolvendo. “Estamos programando fazer um encontro com especialistas e proporcionar a troca de ideias e interação com os fornecedores e consumidores deste mercado com grande potencial para crescer no Brasil”, informa.

Para isso, segundo Oliveira, a Ecomondo Brasil já está se aproximando de representantes de entidades ligadas ao setor automotivo que se mostraram interessadas e querem apresentar seus trabalhos, como as empresas que atuam na parte de reciclagem de pneus, de óleos lubrificantes, catalisadores, entre outros, ampliando, assim, a participação da cadeia de valor deste setor na feira.