Home Econews Poluição oceânica pode cair bem com mudança de hábitos de lavagem

Poluição oceânica pode cair bem com mudança de hábitos de lavagem

por admin

Um novo estudo revelou que quase 13 mil toneladas de microfibras, equivalentes a dois caminhões de lixo por dia, são lançadas em ambientes marinhos europeus todos os anos. Mas isso pode ser reduzido em até 30% se houver uma pequena alteração na maneira habitual de se lavar roupas. As descobertas foram publicadas pela revista “PLOS ONE” na sexta-feira, 5 de junho, antes do Dia Mundial dos Oceanos, nesta segunda-feira, 8 de junho.

Toda vez que você lava suas roupas, milhares de pequenas microfibras do tecido são liberadas nos rios, no mar e no oceano, causando poluição marinha. Os cientistas especulam há algum tempo que essas microfibras podem causar mais danos do que as microesferas, proibidas nos produtos de consumo do Reino Unido e dos EUA nos últimos anos.

Pesquisadores da Universidade de Northumbria (Reino Unido) trabalharam em parceria com a multinacional Procter & Gamble (P&G), fabricante de produtos como Ariel e Downy, no primeiro grande estudo forense sobre o impacto ambiental das microfibras da roupa de casa suja. Sua análise revelou que uma média de 114 mg de microfibras foram liberadas por quilograma de tecido em cada carga de lavagem durante um ciclo de lavagem padrão.

Redução de 30%

Considerando um relatório de 2013 da Associação Internacional de Sabões, Detergentes e Produtos de Manutenção (Aise) que estimava que 35,6 bilhões de ciclos de lavagem são concluídos em 23 países europeus a cada ano, os pesquisadores sugerem que 12.709 toneladas de microfibras estão sendo liberadas das máquinas de lavar nos rios, mares e oceanos a cada ano apenas na Europa. Isso equivale a dois caminhões de lixo que acabam em ambientes marinhos todos os dias.

No entanto, os pesquisadores conseguiram uma redução de 30% na quantidade de microfibras liberadas quando realizaram um ciclo de lavagem de 30 minutos a 15 °C, em comparação com um ciclo padrão de 85 minutos a 40 °C, com base na lavagem doméstica típica.

Se as famílias mudarem para lavagens mais frias e rápidas, evitarão que 3.813 toneladas de microfibras sejam liberadas nos ecossistemas marinhos da Europa.

Os pesquisadores descobriram diferenças ainda mais significativas quando compararam diferentes liberações de microfibras de diferentes tipos de máquinas de lavar na América do Norte.

As famílias na América do Norte historicamente têm usado máquinas de lavar tradicionais com um volume de água de lavagem médio de 64 litros. O mercado está gradualmente migrando para máquinas de alta eficiência, que usam até 50% menos água e energia por carga.

Como consequência, essas máquinas mais modernas liberaram menos microfibras do que as máquinas tradicionais. Há exemplos notáveis, incluindo uma redução de 70% nas microfibras dos tecidos de lã de poliéster e uma diminuição de 37% nas camisetas de poliéster.

Roupas novas x velhas

Outras descobertas importantes do estudo incluem:

1) Ciclos de lavagem maiores levaram a uma queda na liberação de microfibras, devido a uma menor proporção de água para tecido. Como tal, a equipe de pesquisa aconselha os consumidores a encher – mas não demais – suas máquinas de lavar. Uma máquina de lavar cheia corretamente deve ter cerca de três quartos da capacidade.

2) Roupas novas liberam mais microfibras do que roupas antigas. A liberação de microfibra foi mais proeminente em roupas novas durante as oito primeiras lavagens.

3) Verificou-se que os amaciantes de tecido não têm impacto direto na liberação de microfibras quando testados nas condições de lavagem na Europa e na América do Norte.

Um aspecto novo do estudo foi o envolvimento da drª Kelly Sheridan, especialista forense em fibras têxteis que trabalhou em vários casos de assassinato. Suas orientações garantiram que a pesquisa pudesse ser conduzida sem contaminação cruzada de fibras de outras fontes.

Fibras naturais x sintéticas

A equipe aplicou métodos de teste usados ​​na ciência forense, como técnicas espectroscópicas e de microscopia, para examinar a estrutura e a composição das microfibras liberadas pelas roupas. Isso permitiu que as fibras fossem pesadas e caracterizadas para determinar as proporções de fibras sintéticas ou naturais liberadas nas cargas de lavagem.

Os pesquisadores descobriram que 96% das fibras liberadas eram naturais, provenientes de algodão, lã e viscose. Fibras sintéticas, como náilon, poliéster e acrílico, representaram apenas 4%.

Um ponto positivo a ser observado é que as fibras naturais de fontes vegetais e animais se biodegradam muito mais rapidamente que as fibras sintéticas. Um estudo anterior identificou que as fibras de algodão se degradaram 76% após quase oito meses em águas residuais, em comparação com apenas 4% de deterioração nas fibras de poliéster. Isso significa que as fibras naturais continuarão a se degradar ao longo do tempo, enquanto as microfibras à base de petróleo se espalharam e pode-se esperar que permaneçam em ambientes aquáticos por um período muito maior.

Queda significativa

John R. Dean, professor de ciências analíticas e ambientais da Universidade de Northumbria, que liderou o estudo, disse: “Este é o primeiro grande estudo a examinar as cargas reais de lavagem doméstica e a realidade da liberação de fibras. Ficamos surpresos não apenas com a quantidade absoluta de fibras provenientes dessas cargas domésticas de lavagem, mas também por ver que a composição das microfibras que saem da máquina de lavar não corresponde à composição da roupa que entra na máquina, devido à maneira como os tecidos são construídos”.

Ele prosseguiu: “Encontrar uma solução definitiva para a poluição dos ecossistemas marinhos por microfibras liberadas durante a lavagem provavelmente exigirá intervenções significativas nos processos de fabricação de têxteis e no design de aparelhos de máquinas de lavar”.

Neil Lant, pesquisador da Procter & Gamble, disse: “Este estudo provou que as escolhas dos consumidores na maneira como lavam suas roupas podem ter um impacto significativo e imediato na poluição por microfibras. Isso não elimina o problema, mas pode alcançar uma redução significativa de curto prazo, enquanto outras soluções, como filtros de máquinas de lavar e roupas de baixa perda de tecido, são desenvolvidas e comercializadas”.

Fonte: Planeta

 

Posts relacionados

Deixar um comentário