Um dos principais pilares da Ecomondo Brasil em 2019 é a Reciclagem Automotiva. As perspectivas de Eduardo Santos, coordenador técnico da Ilha da Reciclagem Automotiva, para esta edição são excelentes, pois a ideia é estimular o público a entender as diferenças dos tipos e peças disponíveis no mercado e que não estão sendo ofertadas só peças novas genuínas ou novas paralelas, mas também as peças usadas com procedência (usada original), remanufaturada (original remam) e a recondicionada (original usada) possibilitando mostrar o que cada uma delas representa dentro desse mundo de reaproveitamento de autopeças sustentado por leis federal e estadual, rastreáveis legalmente, com origem comprovada e sustentável ecologicamente, além de ser economicamente viáveis aos usuários o que permite várias opções de escolha com preços acessíveis.

“Dessa maneira pretendemos apresentar durante a exposição, de forma simples e objetiva, ao consumidor final as possibilidades de aquisição de autopeças; aos investidores um mercado promissor que vem crescendo e se regulamentando; e ao setor de usados o apoio às ideias de inovação e novos negócios”, aponta Santos.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Luiz Nassif, presidente do Instituto Nacional de Reciclagem Automotiva (Inra), principal parceiro da Ecomondo Brasil nesta área, reitera que o evento vai proporcionar a troca de ideias e mostrar os avanços que estão acontecendo em torno do seguro popular, por exemplo, uma vez que só 29% da frota circulante é segurada, os outros 71% não tem nenhum respaldo técnico, sujeito a todos os tipos de irregularidades e ilegalidades existentes neste mercado. “Portanto, o objetivo da Ilha da Reciclagem Automotiva é mostrar todo o processo de regularização que estamos ajudando a construir no Brasil e, especialmente, os benefícios que a reciclagem automotiva pode proporcionar, por meio do engajamento dos seus atores em prol de ações ambientais e sociais que trazem, entre inúmeros objetivos, novas oportunidades para a geração de postos de trabalho, aumento da renda e, consequentemente, melhorias socioambientais para a sociedade no geral”, declara.