Home Notícia Gestão de resíduos sólidos deve ser uma preocupação dos condomínios, indica InPAR

Gestão de resíduos sólidos deve ser uma preocupação dos condomínios, indica InPAR

por admin

Uma boa alternativa é realizar campanhas de conscientização para a coleta correta do lixo e colaborar para a coleta de seleção e reciclagem, que só em Curitiba, teve um aumento de 30% na pandemia

A pandemia do coronavírus despertou o alerta para a necessidade de cuidados não descarte de resíduos, especialmente em relação a materiais que podem estar contaminados como máscaras e luvas. O alerta se faz ainda mais presente em locais com maior concentração de pessoas como o caso de condomínios residenciais, que descartam diariamente uma grande quantidade de materiais. Mas, para além da atenção com os protocolos de saúde, uma gestão adequada de resíduos sólidos também traz efeitos sociais e ambientais muito importantes.

Por ser um período em que há mais pessoas em casa, a tendência é que o lixo domiciliar também cresça. Esse foi o caso de Curitiba que teve coletadas 6,5 mil toneladas de lixo reciclável nas residências entre março e junho, um aumento de 30% em relação ao mesmo período de 2019, segundo dados da Prefeitura. No início da pandemia, a Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe) também previu um aumento de até 25% na produção desses resíduos.

Por isso, o especialista em meio ambiente da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep) e membro do Instituto Paranaense de Reciclagem (InPAR), Marcos Thiesen, explica que é preciso tomar cuidados na hora de materiais descartar que podem estar contaminados. “É necessário jogar máscaras e luvas no próprio lixo do banheiro, envolvê-lo em mais um saco descartável e amarrá-lo bem. É importante destinar os resíduos ao lixo comum, uma vez que, por conta do risco de contaminação, não é possível reciclar o material. Dessa maneira, também se evita a contaminação por parte de profissionais da coleta ”, explica.

A Abrelpe também alerta para que o saco descartado seja lacrado e haja a sinalização adequada, especialmente em caso de moradores com suspeita ou confirmação de contaminação pela covid-19. A associação ressalta que é proibido destinar esses resíduos para coleta de coleta ou reciclagem.

Desta forma, é importante haver um local de acondicionamento adequado para os resíduos sólidos e para os recicláveis, para que esses materiais não se misturem. Segundo Marcos, essa é uma ação que pode agregar valor aos resíduos recicláveis, que são recolhidos pelos catadores ou pelo sistema de coleta seletiva do município.

O cuidado com o lixo orgânico, que pode estar contaminado, deve ser redobrado, principalmente por conta dos trabalhadores da coleta pública. Segundo o médico Günter Kampf, do Hospital Universitário Greifswald, outros tipos de coronavírus chegaram a sobreviver cinco dias em materiais como plástico, papel e vidro. Em alguns casos, podem chegar a nove dias, mas ainda não há estudos conclusivos sobre o tempo de importantes da covid-19.

Já o lixo reciclável pode ser reaproveitado. “Muitos condomínios também realizam parcerias e dedicam seus resíduos recicláveis ​​para associações ou cooperativas de catadores. Esse material deve estar limpo para que possa ser aproveitado e tenha valor de mercado ”, explica.

Segundo ele, é importante que o condomínio realize campanhas de conscientização sobre a separação do lixo, a reciclagem e o descarte adequado de resíduos. Para isso, vale usar uma linguagem fácil e compreensível em grupos de WhatsApp, a correção de cartazes e de avisos em áreas comuns, por exemplo. ”Os moradores de um condomínio fazem parte de um ciclo que começa a não descarte e chega à reciclagem e ao reaproveitar esses resíduos. As pessoas precisam entender que esse cuidado traz diversos benefícios socioambientais, além de um importante papel social ”, explica.

O trabalho em conjunto entre os consumidores, órgãos públicos, indústrias e cooperativas faz parte do princípio da responsabilidade compartilhada proposta pela Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), que completou dez anos em agosto. A logística reversa é um dos instrumentos fornecidos na PNRS que é baseado em um conjunto de iniciativas que visam viabilizar a restituição dos resíduos pós-consumo ao setor empresarial, ou seja, fazer com que os produtos descartados podem retornar à cadeia produtiva. A reciclagem é uma das alternativas previstas para o cumprimento da logística reversa.

 

Compartilhar

Posts relacionados

Deixar um comentário