A Ecomondo, já em sua abertura, comprova que o Brasil ainda tem muito potencial a ser desenvolvido nas questões ambientais e nos negócios. Giulio Rossi, diretor da feira, discorreu sobre a importância da Ecomondo para o setor no país. Leia a seguir:

Ecomondo Brasil – O que representa pra você ter uma feira desse porte e de nível internacional que fala sobre gestão de sustentabilidade  no Brasil?

Giulio Rossi –
Para nós é muito importante, pois o Brasil é um país de grande potencial. Possui um mercado que pode se desenvolver muito bem nessa área. A sustentabilidade é um dos temas mais importantes para o Brasil. Devido a esse motivo resolvemos vir e começar devagar, com uma feira pequena, mas que quer crescer também com as alianças que temos, por exemplo, com a EcoEnergy, que é uma outra grande feira do setor. Temos um ótimo relacionamento com a Cipa Fiera Milano (realizadora da Ecoenergy).


Ecomondo Brasil – Quais são as perspectivas com relação à geração de negócios e oportunidades?

GR – Vejo principalmente como uma oportunidade para troca de ideias, de tecnologias para o seu avanço, apresentação de inovação no setor, seja dos resíduos ou na energia alternativa, que para nós é muito importante. É uma feira de negócio e oportunidade para crescer tecnologicamente e no mercado.

 

Ecomondo- O que você destacaria como ponto forte, de novidade e de inovação para o público?
GR- Com certeza, as novas tecnologias. Começamos nesse ano com temas que não são tão simples. A gestão de resíduo automotivo que é importante, mas não teve aquele eco que deveria ter. A parte de energia biomassa, biogás, tudo o que vai seguir com o biodiesel e energia solar que está crescendo, graças à tecnologia. Já estamos trabalhando para a próxima edição de 2020 com tecnologia e sustentabilidade 4.0. Teremos o Prêmio Ecomondo Brasil na próxima edição, para as indústrias que estão trabalhando para os próprios processos de produção com tecnologia sustentável.