Os Diálogos Abrelpe, evento que contemplou dois painéis sobre recuperação energética, foi um dos grandes destaques do primeiro dia da Ecomondo Brasil – Feira de Soluções Tecnológicas para Gestão da Sustentabilidade, que acontece até esta quinta, 23 de maio, na São Paulo Expo. Iniciativa inédita para o setor, a Ecomondo Brasil 2019 é realizada em parceria com a Ecoenergy – Feira e Congresso Internacional de Tecnologias Limpas e Renováveis para Geração de Energia.

 

Com presenças de representantes do Ministério do Meio Ambiente, da Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) e da CNI (Confederação Nacional da Indústria), o painel I dos Diálogos Abrelpe abordou o tema “Ambiente Regulatório da Recuperação Energética”.

 

O presidente da Abrelpe –Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais, Carlos Silva Filho, coordenador do debate, abriu as apresentações abordando o “Panorama geral e perspectivas da recuperação energética no Brasil”. O secretário de Qualidade Ambiental do Ministério do Meio Ambiente, André França, discorreu sobre o “A Recuperação Energética na Agenda de Qualidade Ambiental do Ministério do Meio Ambiente”.

Wanderley Batispta, da GEMAS-CNI, abordou o tema “Parceria da Indústria” e apresentou o estudo inédito “Recuperação energética de resíduos sólidos: um guia para tomadores de decisão”. Segundo ele, foi muito importante fazer o lançamento oficial desse guia para tomada de decisão. “É o primeiro documento do tipo no Brasil”, ressaltou. “Existem muitos documentos técnicos que até detalham muito mais do que levantamos neste estudo, mas ele segue o caminho para uma avaliação ampla de como essas tecnologias podem ser utilizadas, seja pelo setor público seja pelo privado, buscando a destinação ambientalmente adequada dos resíduos sólidos”, afirmou Batipsta.

 

Ele disse ainda que “o evento foi muito importante porque reforçamos o papel das feiras internacionais de tecnologia ambiental. A CNI vê isso com bons olhos. É um mercado importante para as empresas que sempre apresentam inovações e, como recentemente saiu a regulamentação para a recuperação energética, foi de bom tom trazer esse guia”, destacou. Ainda de acordo com o palestrante, o guia foi construído com uma consultoria internacional e assessoria da Abrelpe e da BCP.

 

O palestrante Cristiano Kenji, representando a presidente da Cetesb, Patrícia Iglecias, falou sobre o quadro regulatório estadual e soluções para tratamento de resíduos em São Paulo”. “Com o tema que foi colocado é importante a nossa participação para expor o regulamento sobre a recuperação energética dos resíduos sólidos no Estado de São Paulo e os critérios de licenciamento que são adotados pela Cetesb, juntamente com as novas tecnologias”, ressaltou Cristiano. “São Paulo está mais avançado que outros estados no tratamento de resíduos que estão à disposição”, completou.

Desafios

O segundo bloco dos Diálogos Abrelpe apresentou os desafios enfrentados por empreendimentos direcionados à recuperação energética e suas especificações técnicas.

Com mediação de Gabriela Otero, coordenadora técnica da Abrelpe, o painel teve apresentações de Ismar Assaly, diretor presidente da Foxx Haztec, André Tchernobilsky, diretor da ZEG, e Alexandre Citvaras, diretor de Meio Ambiente da Intercement.

“Participo junto com a Abrelpe das feiras de resíduos desde 2012. Vejo que a cada ano as pessoas aderem mais a esses eventos. Conversei com a Gabriela, nunca teve tantos inscritos num painel da Abrelpe”, destacou o palestrante André Tchernobilsky, diretor da ZEG Ambiental. “O mundo está tomando grandes movimentos que não têm mais volta. Precisa ser mais sustentável e com energia renovável. Nesse tipo de evento é importante escutarmos as perguntas e pensarmos em como podemos melhorar. É gratificante participar da Ecomondo junto com a Abrelpe”, disse.

Ismar Assaly, presidente do Conselho da Foxx Haztec, ressaltou a importância da discussão sobre reciclagem. “O mais importante é transmitir a mensagem que temos que resolver a questão do lixo. O saneamento é tão importante quanto a água que tomamos e a solução da geração de energia com resíduos é uma das soluções mais importantes e que está presente em todos os painéis modernos. Na Europa, há um tratamento térmico e mais a reciclagem como uma grande solução para a questão do resíduo. Não podemos ficar tão distantes, com 3 mil lixões operando e contaminando o solo e o lençol freático e trazendo doenças, entre outros problemas. Precisamos da sustentabilidade para o nosso planeta”, pontuou.

Sobre o que falta para o lixo ser melhor aproveitado, explicou que “no Brasil se fala muito em concessões, mas são raras no setor de lixo. Temos algumas e para darmos sustentabilidade ao projeto precisamos de um contrato de longo prazo. Quando falo de insegurança jurídica temos que ter garantia de pagamento, como é a água e o esgoto cobrado do usuário final. Precisamos ter o mesmo tratamento com investimento de grande quantidade e segurança do recebimento, principalmente nos pequenos municípios”.

O especialista abordou também a importância da discussão do tema no Brasil. Para ele, é fundamental que cada vez mais os que lutam pelo setor resolvam a questão dos resíduos. “Somos os principais interessados para que ocorram eventos desse porte para haver questionamento e podermos esclarecer as dúvidas junto com as autoridades e propor soluções para os problemas”, concluiu o especialista.

 

Gabriela Otero também comentou sobre o painel e a importância do evento. “Por isso escolhemos o nome “Diálogos”. Nós sentimos que necessita haver no setor de resíduos uma ponte melhor entre as empresas que fazem essa gestão e toda complexidade tecnológica, administrativa e financeira com o público final, para ter um bom serviço ou proteção da saúde”, frisou. “O formato Diálogos é para ter essa aproximação com empresas especializadas falando com um público diversificado”, disse. “Parabenizo a organização do evento, a sala estava cheia, com um público de alto nível e com pessoas interessadas que ficaram até o fim e participaram fazendo perguntas. Esse tipo de formato atrai o público”, elogiou.

A parceria da Abrelpe com a Ecomondo já vem desde 2015, como explica o presidente da Abrelpe, Carlos Silva Filho. “A cada ano é aprimorada. Nesse ano, trouxemos mais uma vez o nosso evento para dentro da feira. Trabalhamos em uma grande divulgação, na parte da exposição e na rodada de negócios junto aos associados. Estamos animados com as próximas edições”, comemora.