A Reciclagem Automotiva tem papel fundamentalno processo de conservação do meio ambiente e no desenvolvimento de uma cultura de sustentabilidade no País

 

Ações do INRA

 

A Reciclagem Automotiva tem um papel de destaque na busca do equilíbrio sustentável e ambiental de nosso país. Segundo Luiz Nassif e Carlos Eduardo Müller Moraes, presidente e vice-presidente do INRA – Instituto Nacional de Reciclagem Automotiva, respectivamente, com o descarte correto dos veículos final de vida e reutilização de suas peças, não só será garantida uma melhoria constante da qualidade do ecossistema, bem como trará um desenvolvimento social e econômico com o surgimento de um novo mercado de comercialização de peças recicladas, ainda muito incipiente no Brasil.

 

A Lei 12.977 – que regula e disciplina a atividade de desmontagem de veículos automotores terrestres, foi implementada em 2015 com um objetivo muito claro no Brasil: Segurança Pública. A ideia é que com a implementação da Lei de Desmontagem, todo o processo seja rastreado, desde a arrematação da veículo / sucata no leilão até o descarte ou comercialização das suas peças e com isso diminua o roubo de carros. “Isso gerará a longo prazo, maior segurança, credibilidade e qualidade gerando oportunidades no mercado do seguro popular, pois as seguradoras estarão respaldadas e seguras de que o processo é sério, seguro e com qualidade”, informam.

 

Atualmente, de acordo com Nassif, apenas 30% da frota do mercado brasileiro é segurada. Com o seguro popular as expectativas podem levar a 50% e isto vai gerar mais credibilidade e segurança para o mercado. “Entre os desafios a serem superados para o tema avançar, o nosso mercado precisa se operacionalizar para isto, além disso é necessário que todos os estados sigam um padrão para o processo de reciclagem automotiva. São Paulo foi o primeiro estado a iniciar este processo”, explica.

 

Conforme os executivos ao decidirem fundar o INRA – Instituto Nacional de Reciclagem Automotiva, o principal objetivo foi criar uma liderança que pudesse representar de “dentro” para “fora” este mercado tão relevante e com valores tão pouco explorados e divulgados para diversos setores de nossa economia.